Empréstimo: o que é, como fazer e tudo o que você precisa saber sobre o assunto

Por: Gustavo Marlieri em 12/03/2021
Empréstimo

Em termos formais, um empréstimo pode ser entendido como uma espécie de “contrato” em que uma pessoa entrega um objeto a outra, mas com a promessa de ser devolvido em um certo prazo.

Nesse sentido, o empréstimo bancário nada mais é do que a operação em que você pega dinheiro emprestado com um banco ou financeira e paga após certo tempo, o que também pode ser feito na forma de parcelas mensais.

Como conseguir um empréstimo?

Fazer um empréstimo é uma tarefa simples, que pode ser feita em bancos, financeiras, ou outras instituições de crédito (como as fintechs).

Para isso, basta que você procure uma dessas instituições, preencha um cadastro, apresente a documentação e aguarde a análise de crédito.

Em alguns casos, é possível que você já tenha um limite pré-aprovado, logo, nem será necessário esperar essa análise, pois, nesses casos, o dinheiro é liberado na hora.

Também é possível fazer um empréstimo dando um bem em garantia. Nesses casos, o procedimento envolverá outras etapas como, por exemplo, o registro em cartório.

Tipos de empréstimo

Existem diversos tipos de empréstimos no mercado, sendo os mais comuns os seguintes:

  • Consignado;
  • Pessoal para negativado;
  • Para microempreendedor (MEI);
  • Com garantia.

Confira, a seguir, um pouco mais sobre cada um deles.

Sobre o consignado

O empréstimo consignado é uma modalidade que possui diversos benefícios, pois, além de possuir uma das menores taxas de juros entre os demais tipos de empréstimo, ele também pode ser solicitado por aqueles que estão negativados.

Confira alguns dos principais benefícios desta modalidade

  • Facilidade na contratação;
  • Mais tempo para pagar;
  • Taxa de juros baixa;
  • Pagamento automático em folha;
  • Disponível para quem está com o nome sujo.

Qual o valor máximo?

A maioria dos bancos e financeiras que oferecem o consignado permitem que você peça valores acima de R$ 50 mil, contudo, isso pode variar em razão de uma série de fatores.

Dentre os mais importantes está a margem consignável, pois, atualmente, os aposentados e pensionistas do INSS, além dos servidores públicos, não podem comprometer mais que 30% de sua renda com empréstimos consignados.

Assim, na prática, o valor máximo do empréstimo que você pode pegar vai depender de quanto de sua margem consignável está disponível e de quanto você recebe por mês.

Documentos necessários para solicitar este empréstimo

Em regra, os documentos exigidos para a solicitação do consignado são os seguintes:

  • Algum documento de identificação;
  • CPF;
  • Comprovante de residência;
  • Contracheque ou número de beneficiário do INSS.

No entanto, tenha atenção ao fato de que essa lista pode mudar de uma instituição para a outra, logo, é importante perguntar ao banco quais os documentos devem ser apresentados.

Clique aqui para saber todos os detalhes do empréstimo consignado.

Sobre o pessoal para negativado

Hoje, o Brasil conta com mais de 65 milhões de pessoas com o nome incluído nos cadastros do SPC ou do Serasa. Isso significa que quase 1/3 da população brasileira está com o nome sujo.

Para tentar sair dessa estatística e conseguir limpar o nome, muitas pessoas recorrem a um crédito pessoal, que pode ser uma boa solução nesses momentos de dificuldade financeira.

No entanto, existem muitos cuidados que você deve tomar ao buscar por um empréstimo para negativados, pois nem sempre é simples conseguir um.

Confira alguns dos principais benefícios desta modalidade

Quem está negativado pode utilizar o dinheiro do empréstimo para muitas coisas, contudo, se você está nessa situação, seu principal objetivo deve ser o de limpar o seu nome e, assim, voltar a ter acesso ao crédito.

Esse é, portanto, o maior benefício de um empréstimo para negativado, mas existem outros, tais como:

  • Possibilidade de reduzir os juros de dívidas anteriores;
  • Possibilidade de abrir um negócio para aumentar a sua renda;
  • Possibilidade de cobrir eventuais despesas emergenciais de última hora.

Qual o valor máximo?

No geral, os empréstimos para quem está negativado possuem limites menores do que os oferecidos nas demais linhas de crédito.

Aqui, novamente, é preciso consultar a instituição financeira para saber exatamente o valor máximo que você pode pegar.

Isso porque, além da questão da negativação, a instituição de crédito pode levar outros fatores em consideração e, assim, permitir que você pegue um crédito maior.

Documentos necessários para solicitar este empréstimo

Como regra, os documentos necessários para quem está negativado são:

  • Algum documento de identidade oficial com foto: RG, CNH, Carteira de Trabalho etc.;
  • Comprovante de renda: holerite, extrato bancário, declaração do Imposto de Renda etc.;
  • Comprovante de residência: contas de água, luz, gás, telefone fixo etc.

Quer saber mais sobre empréstimo para negativado? Clique aqui que te contamos.

Sou microempreendedor, tenho direito?

O microempreendedor individual, mais conhecido como MEI, é uma modalidade de empresa individual criada para retirar os trabalhadores da informalidade e permitir que tenham acesso a uma série de benefícios.

Quem é MEI e precisa de um empréstimo, seja para investir em seu negócio ou para quitar dívidas, pode encontrar boas linhas de crédito específicas para esse público.

Confira alguns dos principais benefícios desta modalidade

Os empréstimos para microempreendedor possuem diversas vantagens. Dentre elas, é possível citar:

  • Redução da burocracia;
  • Taxas reduzidas;
  • Ausência de necessidade de apresentar uma garantia real (ex.: bens que são deixados em consignação).

Qual o valor máximo?

A maior parte das instituições que oferecem empréstimos para microempreendedor costuma oferecer linhas de crédito que vão de R$ 15 mil a R$ 25 mil.

No entanto, é preciso verificar diretamente com a instituição, no momento da contratação, se você pode contratar valores maiores do que esses.

Documentos necessários para solicitar este empréstimo

Regra geral, as instituições que oferecem empréstimos para MEI exigem os seguintes documentos:

  • RG;
  • CPF;
  • Comprovante de inscrição como microempreendedor individual (que pode ser emitida via Portal do Empreendedor);
  • Comprovante de residência;
  • Dados da conta bancária em nome da pessoa jurídica.

Sobre o crédito com garantia

O empréstimo com garantia é aquele em que você pega o dinheiro junto ao banco, mas deixa um bem como garantia de que irá pagar as parcelas.

Enquanto você paga, o bem ficará em nome da instituição financeira, que pode tomá-lo caso você atrase o pagamento ou deixe de pagar as parcelas.

Por conta disso, antes de fazer uma operação dessas, é preciso se organizar para ter a certeza de que você irá cumprir com o acordado, pois, caso contrário, poderá ficar sem aquilo que deixou como garantia.

Entre os principais tipos de bens que podem ser deixados como garantia, é possível listar:

  • Imóveis;
  • Automóveis;
  • FGTS.

Confira, a seguir, um pouco mais sobre os diferentes tipos de empréstimos com garantia.

Com garantia de imóvel

Essa é a modalidade de empréstimo em que você deixa um bem imóvel como garantia, também conhecida como refinanciamento.

Para isso, os imóveis aceitos geralmente são:

  • Casas;
  • Apartamentos;
  • Terreno em zona urbana;
  • Salas comerciais.

Em regra, essa é a linha de crédito com os menores juros do mercado, comumente abaixo de 1% ao mês.

Além disso, como é possível que você deixe imóveis bastante valiosos como garantia, alguns bancos chegam a liberar até R$ 3 milhões e permitem pagar o valor solicitado em até 240 meses.

Por fim, vale lembrar que você pode continuar utilizando o imóvel normalmente enquanto paga o seu empréstimo.

Com garantia de automóvel

Também conhecido como refinanciamento de veículo, o empréstimo com garantia de automóvel funciona de forma semelhante ao empréstimo com garantia de imóvel.

A diferença é que, nele, você deixa o carro como garantia de que irá pagar as parcelas e, por isso, ele ficará em nome do banco até que o contrato seja quitado.

No entanto, você pode continuar a utilizar o seu carro normalmente. O único ponto é que constará a alienação fiduciária no documento do veículo até a quitação do contrato.

Em regra, os bancos e financeiras permitem que você pegue entre 50% e 90% do valor do automóvel emprestado.

Com FGTS como garantia

Essa é uma nova forma de empréstimo voltada para quem fez a opção pela modalidade Saque Aniversário do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Com ela, você pode pegar adiantado os valores de sua conta do FGTS que sacaria apenas no mês de seu aniversário.

A principal vantagem desse empréstimo é que ele possui uma taxa de juros bem abaixo da que é cobrada na maioria das linhas de crédito pessoal, o que o torna bastante atrativo.

Em alguns casos, como para quem indicou a Caixa Econômica Federal para consulta dos seus saldos de FGTS, é possível adiantar os valores de até três anos (próximos aniversários).

Outra vantagem é que o pagamento se dá de forma automática. Ou seja, no mês de seu aniversário, o banco já retém o valor do saque automaticamente como forma de pagamento.

O que devo saber antes de pedir um empréstimo?

Se você chegou até aqui, já sabe quais são os principais tipos de empréstimos oferecidos no mercado e como eles funcionam.

No entanto, existem uma série de outras coisas que você precisa saber antes de pedir um empréstimo a um banco ou a uma financeira.

Confira algumas delas a seguir.

O que é CET (Custo Efetivo Total?)

CET nada mais é do que o custo total de um serviço, no caso, da operação financeira que envolve o empréstimo.

Ele abrange todos os tributos, taxas e outras despesas que podem decorrer de um empréstimo ou de um financiamento, tais como juros, encargos e seguros.

Assim, antes de contratar o seu empréstimo, é importante observar o valor do CET para saber o quanto você está pagando, efetivamente, por pegar esse dinheiro emprestado.

Como calcular os juros

Os empréstimos podem seguir as regras de juros simples ou de juros compostos. No caso do crédito pessoal, a regra é que sejam calculados com base em juros compostos, também conhecidos como “juros sobre juros”.

No caso dos juros simples, o cálculo é bastante fácil. Por exemplo: ao solicitar um empréstimo de R$ 1.000,00 a juros de 2,5% ao mês, basta multiplicar 1.000 por 2,5% (ou 0,025) para encontrar o valor dos juros, que, nesse caso, será de R$ 25,00.

Já no caso dos juros compostos, o cálculo é um pouco mais complexo, pois, a cada mês, será necessário considerar a taxa de juros mensal com base no valor do saldo atualizado.

Assim, é recomendado que você tenha atenção quanto a taxa de juros do empréstimo antes de contratá-lo e, também, ao CET. Quanto menores os juros, menores são as parcelas que você pagará a cada mês.

Qual a diferença entre empréstimo e financiamento?

Apesar do que muitos pensam, empréstimo e financiamento não são a mesma coisa, sendo que a grande diferença entre os dois reside em sua finalidade.

Enquanto o financiamento é uma modalidade de crédito voltada a uma finalidade específica (por exemplo: a compra de um carro ou de um imóvel), no empréstimo não é necessário informar ao banco para que fim você precisa do dinheiro.

Além disso, o financiamento é uma modalidade de crédito mais burocrática que o empréstimo, pois exige a apresentação de uma grande quantidade de documentos.

Por fim, outra diferença está na taxa de juros, que costuma ser mais baixa nos financiamentos.

O que acontece se eu atrasar um empréstimo?

Deixar de pagar um empréstimo nunca deve ser uma opção, pois a dor de cabeça que você pode conseguir com isso é grande.

Ao atrasar um empréstimo, o banco ou a financeira podem, além de cobrar juros e multas pelo atraso no pagamento, encaminhar seu nome para os órgãos de proteção ao crédito, como o SPC e o Serasa.

Dessa forma, você terá dificuldade em solicitar novos produtos, tanto com a instituição que te fez o empréstimo quanto em outras instituições, pois elas se comunicam.

Além disso, é possível que a sua dívida seja direcionada para um escritório de advocacia e, inclusive, cobrada judicialmente.

Se o seu empréstimo for na modalidade com garantia, a consequência do pagamento pode ser a perda do bem, que será tomado pela instituição financeira e leiloado para pagar a dívida.

Meu Score influencia na hora da aprovação de crédito pessoal?

Quando você solicita um crédito pessoal, várias informações podem ser levadas em consideração pelo banco ou financeira, sendo uma delas o seu score do Serasa.

Assim, é importante que você mantenha as suas contas em dia e evite pedir crédito no mercado com muita frequência, pois esses são fatores que podem reduzir o seu Serasa Score, além de outros.

Dicas para não cair em golpe de empréstimo

É nos momentos de maior dificuldade que nos tornamos mais vulneráveis e, portanto, suscetíveis a cair nos golpes que são aplicados por aí. Por isso, se você precisa de um empréstimo, é preciso ter cuidado para não cair em um golpe.

A seguir, separamos 4 dicas para você nunca cair em um golpe de empréstimo, confira:

  • Tenha cuidado com ofertas muito atraentes, pois as chances de que seja uma fraude são grandes. É preciso ter calma e não assinar nada sem antes consultar mais informações sobre a empresa;
  • Nunca faça depósitos ou transferências antecipados com o fim de obter um empréstimo. Empresas sérias nunca fazem esse tipo de exigência para liberar o dinheiro;
  • Antes de contratar um empréstimo, pesquise um pouco sobre a empresa, sua reputação e se ela opera conforme as normas do Banco Central do Brasil. Se não encontrar informações suficientes, não contrate com ela;
  • Não aceite fazer o pagamento das parcelas diretamente via depósito ou transferência para pessoas físicas, pois essa não é uma prática usada por empresas sérias.

Como funciona a portabilidade?

A portabilidade de empréstimo é o processo em que você transfere a sua dívida de um banco para outro que cobra menos juros.

Na prática, o que ocorre é uma quitação antecipada de seu empréstimo na instituição de origem. Em seguida, a instituição que “comprou” a sua dívida emite um novo contrato de empréstimo.

A principal vantagem disso é que, na maioria das vezes, você consegue diminuir o valor das parcelas e, em alguns casos, consegue pegar um “troco”, ou seja, um dinheirinho a mais nessa operação.

Portabilidade com troco vale a pena?

Essa é uma dúvida muito comum, pois, ao realizar a portabilidade do empréstimo, muitas vezes é oferecida a possibilidade de pegar um “troco” nessa operação.

Como a portabilidade normalmente é feita para reduzir os juros do empréstimo, a maior parte das pessoas não pega esse troco e prefere que seja feita a redução do valor das parcelas.

No entanto, se você estiver precisando de dinheiro para fazer algo, então é vantajoso pegar o troco oferecido na portabilidade, mesmo que, na prática, o valor da parcela continue o mesmo.

Onde posso conseguir um empréstimo fácil?

A maneira mais rápida de se conseguir um empréstimo é pela internet. Confira, a seguir, 5 dicas simples para conseguir seu empréstimo hoje mesmo:

Tenha em mente o que você precisa

Antes de pedir um empréstimo, defina qual o valor que você precisa e para qual finalidade será utilizado. Isso evita que você pegue menos dinheiro do que o necessário ou que contrate um empréstimo maior do que precisa e, consequentemente, acabe pagando mais juros.

Procure financeiras e bancos de confiança

Como você viu ainda há pouco, é preciso ter cuidado para não cair nas garras de oportunistas que praticam o temido golpe do empréstimo.

Por isso, o ideal é sempre procurar empresas confiáveis e que possuam uma ampla credibilidade no mercado brasileiro, tais como:

Faça simulações

Lembre-se de sempre simular o valor e conferir os juros antes de contratar o seu empréstimo. Confira, também, as condições de contratação e o Custo Efetivo Total (CET) da operação.

Separe seus documentos

Cada banco ou financeira pode exigir documentos diferentes para a liberação do seu empréstimo.

Por isso, o ideal é verificar diretamente com a instituição quais são os documentos necessários para a contratação e já deixá-los separados, pois isso evita atrasos na liberação do seu dinheiro.

Contrate seu empréstimo

Após tudo isso, o último passo é fechar o contrato e, finalmente, pegar o dinheiro do empréstimo que acabou de contratar.

Lembre-se de manter as parcelas em dia para evitar a cobrança de juros e multa, além de outras dores de cabeça que citamos anteriormente.

Ficou com alguma dúvida? Escreva abaixo nos comentários e conte com o Plusdin se precisar de ajuda para contratar o seu empréstimo.

1 Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*