WhatsApp Vai Entrar no Sistema de Pagamentos do Brasil em Breve, Diz BC

Mensageiro deve começar com transferências de valores entre pessoas, no desenho conhecido como P2P

Por: Alison Pitangueira em 25/11/2020

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou, que o WhatsApp, aplicativo de mensagens do Facebook, entrará em pagamentos no Brasil “em breve”.

A autoridade monetária já mantém conversas com o Google nesse sentido, além de outras gigantes de tecnologia que não foram mencionadas nominalmente por ele.

Ao ser questionado se o Whatsapp iria entrar em pagamentos no sistema de pagamentos instantâneos, o Pix (que entrou em vigor, plenamente, também nesta segunda) ou fora dele, Campos Neto respondeu, em coletiva de imprensa, que a empresa começará com transferências de valores entre pessoas, no desenho conhecido como P2P (‘peer to peer’).

“Whatsapp vai entrar, vai começar fazendo P2P em breve. Eu tenho conversado bastante com o CEO do WhatsApp, inclusive ele tem me dito que o processo no Banco Central foi mais rápido do que em outros países”, disse Campos Neto.

Avanço Gradual

O presidente do BC complementa, ainda, que, além do WhatsApp, conversa com outras gigantes da área da tecnologia e que o avanço, nesta modalidade, será feito de forma gradual.

“Então a gente está avançando bastante com o processo, vai começar com P2P e depois vai fazer P2M (transferência entre pessoas e estabelecimentos). Nossa única preocupação é passar por todos os critérios de aprovação e que a gente tenha sistema que fomente competição, do mesmo jeito que estamos conversando com Google e com outros”, explicou Campos Neto.

Além do Whatsapp, o Banco Central está conversando com o Google e outras big techs, não denominadas, pontuou Campos Neto, destacando que há vontade de estar no Brasil, que conta com mercado consumidor “bastante amplo”, com “oportunidade na digitalização”.

WhatsApp Vai Liberar Vendas Através do Próprio Aplicativo

O Facebook anunciou, ainda no mês passado, uma nova função do WhatsApp, que promete facilitar a vida de você consumidor! Agora, o aplicativo oferecerá compras e serviços de hospedagem, à medida que aumenta sua receita enquanto une a infraestrutura de comércio eletrônico da empresa.

Sendo a maior empresa de mídia social do mundo, o Facebook vem aumentando as vendas de unidades de grande crescimento, como Instagram e WhatsApp, que comprou em 2014 por US$ 19 bilhões, mas tem demorado para monetizar.

Agora, com as mudanças, o WhatsApp vai possibilitar que empresas vendam produtos dentro do aplicativo através do Facebook Shops, uma loja online, que foi lançada em maio deste ano.

WhatsApp Entrará na Nuvem

O WhatsApp também entrará no setor de computação em nuvem, a qual concederá as empresas que usam suas ferramentas de mensagens de atendimento ao cliente a capacidade de armazenar essas mensagens nos servidores do Facebook.

De acordo com o vice-presidente de operações do WhatsApp, Matt Idema, a ferramenta de compras será lançada ainda em 2020, enquanto a hospedagem de mensagens estará disponível já a partir do ano que vem.

Ainda conforme o vice-presidente do mensageiro, o WhatsApp oferecerá o serviço de hospedagem gratuitamente para  que possa atrair novos clientes pagantes para suas ferramentas.

De acordo com Idema, mais de 175 milhões de pessoas interagem diariamente com uma empresa no WhatsApp. “A receita hoje é pequena, em comparação com o Facebook em geral, mas achamos que a oportunidade é muito grande”, concluiu o executivo.

Pix Vai Oferecer Pagamentos Programados e Cashback, Afirma Presidente do BC

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que o Pix, novo meio de pagamentos que entrou em plena operação nesta segunda (16), terá funcionalidades como pagamentos programados e cashback para os usuários. Ele não deu detalhes sobre quando essas funcionalidades serão oferecidas aos clientes.

Entre 03 e 15 de novembro ocorreu a operação restrita, em que alguns clientes selecionados pelas instituições financeiras, puderam realizar pagamentos e transferências com o Pix.

Até o último domingo,  já haviam sido cadastradas mais de 71 milhões de chaves Pix e realizadas mais de 1,9 milhão de transações entre instituições diferentes, com um montante financeiro que passou de R$ 780 milhões. “O Pix trará inclusão financeira, competição no sistema financeiro, eficiência e segurança. Transferir dinheiro e fazer o pagamento tem que ser tão fácil quanto fazer uma ligação ou mandar uma mensagem. Teremos no futuro próximo pagamentos programados e cashback”, declarou Campos Neto.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*Os comentários não representam a opinião do portal ou de seu editores! Ao publicar você está concordando com a Política de Privacidade.

*